As 3 melhores práticas de confinamento de gado de corte

Publicado em 18 de dezembro de 2022

A pecuária é uma atividade do agronegócio muito importante no Brasil. Entre as atividades, ela envolve a criação e a venda de animais para o abate. É um negócio lucrativo com potencial de crescimento devido ao alto consumo de carne bovina no mundo. O confinamento de gado de corte é usado para que se tenha o melhor processamento das carnes.

Mas, a dúvida de muitos produtores é: qual é o melhor tipo de confinamento de gado de corte para implantar na minha fazenda? Esse texto foi criado para responder essa pergunta, ao passo que traz as melhores práticas usadas nos dias atuais em solo brasileiro. Leia com atenção e entenda tudo.

Neste conteúdo, você vai ler:

  • O que é gado confinado
  • As vantagens do confinamento de bovinos
  • Descubra as melhores práticas de confinamento de gado de corte
  • As instalações para confinamento de gado de corte

O que é gado confinado

O confinamento de gado de corte no Brasil é uma realidade para os criadores de bovinos que querem tratar animais de maneira mais produtiva. Muitos até começam com a ideia do pasto, mas logo veem que há vantagens em evitar que os animais percam peso durante a secagem das pastagens.

O que explica porque manter o gado confinado é uma das práticas alternativas para os períodos de inverno ou de seca. Nessas épocas, com a pastagem em falta, a nutrição dos animais fica prejudicada, fazendo com eles migrem para outros ambientes. Aí é que entra o confinamento.

O confinamento de gado é um tipo de manejo interessante porque a partir da montagem de estruturas dá para conter os animais em determinados locais. É comum que esse ambiente tenha o cocho, que oferece alimentos de nutrição e qualidade para todo o rebanho. O uso dele depende da estratégia.

O gado confinado no Brasil

Apesar de todas as regiões do país poderem fazer uso das técnicas de confinamento de gado, saiba que a região Sul é a que mais segue a tendência. E há bons motivos para isso: os períodos de estiagem, que prejudicam a criação dos bovinos, seja para o mercado de carnes ou para a produção de leite.

Qualquer um dos sistemas usados vai permitir que o animal seja alimentado com água e ração à vontade, garantindo as melhores condições para o corte ou para o leite. O confinamento pode acontecer desde o nascimento do animal até o abate, mas muitos produtores têm usado apenas na fase final da reprodução.

No nosso país, o assunto é uma novidade. Conforme informações da UOL, os bois confinados formaram um grupo minoritário, sendo de 10% no ano de 2021. Mas, os cenários são mais otimistas com preços baixos para os grãos e outros custos de produção. Por isso, pode ser uma oportunidade para os produtores.

As vantagens do confinamento de bovinos

O sistema extensivo de pastagem permite que a alimentação dos bovinos seja feita por meio da pastagem natural. O que pode ser um problemão para regiões mais frias, como do Sul do país ou épocas de seca, como no Centro-Oeste Brasileiro.

Então, o confinamento de gado surge como ideia para o manejo e a alimentação que acontece por meio dos cochos. De fato, essa prática exige investimento e por isso é importante validar os benefícios que ela traz aos fazendeiros e produtores rurais. Confira os principais.

Aumento da produtividade

Sem dúvidas, é a maior vantagem do confinamento bovino. O aumento de produção acontece pelo funcionamento do sistema que relaciona alimento de qualidade com engorda mais rápida. E isso vale, especialmente, em épocas de seca e estiagem.

Menor custo de manutenção

Os investimentos iniciais costumam ser entraves para muitos fazendeiros. No entanto, como o sistema de confinamento permite a produção mais rápida, o gado chega ao abate mais rapidamente, também. Então, há redução de custos relacionados a ele.

Aproveitamento dos espaços

O produtor rural delimita um espaço físico para o confinamento. Assim, dá para aproveitar outras áreas para outros fins, como para o cultivo de ração ou pasto, por exemplo. Dá até para plantar novas culturas ou produzir outros animais.

Produção em períodos ruins

Mesmo em épocas de seca e estiagem, a produção não para. Afinal, o confinamento entra como solução para garantir a venda de carne. É algo que não seria positivo caso a região passasse por uma seca ou se por outro motivo o pasto fosse perdido.

Baixo risco de infecções

Para começar a usar o confinamento será preciso ser mais rígido com o controle sanitário. Isso faz com que o gado fique mais saudável e livre de doenças ou infecções. Com isso, há estudos que provam que há diminuição na taxa de mortalidade dos bovinos e gastos com medicações.

Descubra as melhores práticas confinamento de gado de corte

Se ficou claro que o confinamento de gado é uma prática interessante porque fornece recursos nutricionais para a criação dos bovinos, agora é hora de a gente conhecer as melhores práticas usadas para esse objetivo, da engorda e da qualidade da carne.

1 – Confinamento a céu aberto

O estilo curralete ou a céu aberto é um dos modelos mais comuns de confinamento de gado de corte. Nele, os animais possuem acesso a um cocho, onde tem alimentos e bebedouros de água. O cocho é o único espaço coberto, que tem sombras e pavimentações.

Os estudos mostram bons resultados no ganho de peso dos bovinos e um dos indicadores tem a ver com o conforto térmico deles.

2 – Confinamento parcialmente coberto

Além do gado de corte, o de leite também pode ser confinado dessa forma. É muito parecido com o modelo anterior, sendo que há uma pequena área coberta para que os bovinos se abriguem. É um espaço que fica perto do cocho e protege os alimentos.

3 – Galpão fechado

Essa é a ideia padrão para quando se fala em confinamento de gado de corte. Assim, usa-se um local com área entre 3m² e 5m² por cabeça de gado. Ele tem cocho para alimentação (também chamado de cocho de sal) e local para hidratação dos animais.

É bem comum para o gado de corte. O investimento exige capacitação de profissionais, que precisam cuidar do ambiente para que não fique desconfortável para os bovinos. Por isso, é uma ideia mais aceita em regiões de climas temperados.

O confinamento para o gado de leite

Essa parte do texto entra como curiosidade. O foco, como está no título, é falar do gado de corte. Mas, aqui temos algumas formas de confinamento de vacas leiteiras, que pode ser um assunto interessante para quem pensa nesse tipo de produção. Conheça os principais.

Free Stall

Esse é o confinamento de gado leiteiro mais usado no nosso país. Nele, as vacas podem ficar soltas, mas contidas por cercas. Elas possuem baias individuais, com camas de serragens, areias ou outros materiais.

Loose Housing

É um sistema para vacas leiteiras, que ficam em um espaço com cama de palha de arroz ou de areia. É um ambiente coletivo e elas podem se locomover ou deitar-se. A alimentação é feita no galpão, com capim, silagem, cana e outras comidas. A ordenha é em outro local. É um tipo de confinamento bovino, usado apenas para o gado de leite.

Tie Stall

Essa não é uma técnica para gados de corte. Mas, está aqui porque muita gente confunde. Tie Stall serve para animais que estão em lactação, isto é, gado de leite. Assim, eles ficam em baias e recebem alimento no cocho. Durante a ordenha, eles podem se locomover. Por trazer desconforto aos animais, essa metodologia não é mais usada.

As instalações para confinamento de gado de corte

Por último, também vale a pena considerar como fazer um confinamento de gado de corte que seja eficaz. Aqui estão vários pontos que merecem atenção, como é a estrutura da fazenda. A propriedade precisa ter a fonte de alimentação e a garantia da limitação de espaços.

Por exemplo, os especialistas indicam um espaçamento que seja de pelo menos 15m² para cada cabeça de gado. Além do mais, as opções acima indicam qual pode ser o melhor caminho para você, onde o galpão fechado pode ser usado para até 50 animais.

E na hora de cercar o gado, a gente tem outra recomendação: leia um texto que publicamos recentemente e tira todas as suas dúvidas sobre o tema. Nele, falamos da altura da cerca para gado e também do melhor tipo para o gado de corte.